Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese



ONLINE
1








 

http://www.antena1.com.br/aovivo

 


VISÕES DA SEMANA

 

VISÕES DA SEMANA.  Parte do que pesquisei, descobri, escrevi e selecionei na semana (POR ORDEM DECRESCENTE.  Geralmente serão mantidas no site somente as das quatro semanas anteriores).

 

Semana de 27/11/2019  a 04/12/2019 

Assunto 1 da Semana:

“Os Desdobramentos – Jardins e Clube” (conto do tipo “inusitado”, de um livro de ficção que estou finalizando)

                                                           Alfredo Sénger

A cada noite, madrugada, desdobramentos, que são mais do que sonhos (que são gravações ou repetições para intensificar programações do que se acabou de fazer e vivenciar, participar na quarta dimensão).

Hoje, antes da primeira vez em que voltei de um e “acordei” e fui ao banheiro, e tomando água em seguida, tivera nesse desdobramento a ida a um local onde havia canteiros maravilhosos, de plantas com flores que nunca vi e suaves cores, e que viram além de exalarem, abençoando o ambiente e sendo terapêuticas. Estreitos caminhos entre cada canteiro.

E uma pessoa sentada meditando em um banquinho frente a planta, em cada canteiro.

Só onde eu estava havia centenas desses canteiros, com centenas de pessoas. Creio que algumas ainda estavam vivendo aqui, como eu, mas talvez muitos eram desse local, não estavam vivendo aqui, mas interagindo. Como sempre sentia haver muitos por ali que eu não via como aqueles.

Pareciam serem pessoas de todos os tipos de aparência e condição. Mas a vibração daquele ambiente era em uma mesma frequência e com um tipo específico de propósito e função.         

Eu me movimentava por entre esses canteiros e até procurava um lugar vago e não encontrava nenhum.

Mas estava de passagem, porque acabei entrando em uma caverna ou construção ampla, com objetos, como um museu.   Cada um também vibrando. Continuei me sentindo muito bem.

Além dos objetos, creio que móveis mas também alguns aparelhos e pequenos animaizinhos, havia também uma bela arara.

Bem, volto a me deitar. Meu corpo volta a dormir. Mas novamente me vejo em outro desdobramento. Começo andando em uma parte muito bonita, com prédios e áreas verdes, seguindo flutuando e seguindo em frente me deslocando.

De repente mudo novamente de ambiente e me vejo de repente frente a um tipo de local como que um clube imenso. Noto duas pessoas entrando no mesmo e as sigo.

Parecia mesmo uma espécie de clube elegante e empoderado, restrito. Móveis e decorações belas e demonstrando lugar de encontro de pessoas poderosas e de destaque, de cultura e liderança política, econômica e intelectual.

Estavam usando aparelhos avançados projetando situações que aconteciam e acontecerão na Terra. Ao mesmo tempo acabara de serem servidos pratos saborosos, eu inclusive degustei também.

Demonstrando o ressurgimento de maus valores que se supunham superados (“quando supunham ter morrido eis que ressurge com toda força” – profecia referente aos ódios, desequilíbrios e fanatismos que surgiram no final dos anos 1920 até 1945.

Extremos tanto da chamada esquerda quanto da chamada direita, ódios nas ideologias, maus valores, falsidades, teorias pseudo científicas, religiões, políticas, países, e que ressurgiram após os anos 2000 principalmente após 2013).    

Mostrava isso em vários países e continentes. Em um momento mostrou um vídeo disso em alguns, um deles pelo que eu percebi era no México.

E que como já sabia, fazem parte dos inúmeros tipos de testes a que somos submetidos todos os dias, aumentando mais nesta época de aceleração final da Grande Transição.  

Nos quais observamos que na maior parte das vezes em torno de 30 a 35 por cento das pessoas continuam quase como sempre “reprovadas” perdendo posições vibracionais do que se chama status de melhoria na transição.

Eu estava confortavelmente sentado em um tipo de sofá muito confortável que parecia até terapêutico. Também participando dos estudos e discussões, troca de informações e como que um tipo de trabalho modificador conjunto ali.

Nesse momento uma senhora muito elegante, aparentando cerca de 35 a 40 anos, senta-se bem próximo aonde eu estava e faz uma apresentação e trabalho específicos dentre aqueles então em curso naquele amplo salão do “clube”, e da qual creio que eu também participava.

Todos conversavam só que mentalmente mas em alto nível de comunicação, e se entendiam, sabiam o que estavam fazendo juntos ali reunidos.

Não posso esquecer a sensação de grande sintonia, harmonia, força conjunta que tínhamos todos ali. Acompanhados de uma força invisível muito mais forte e que provocava em nós grande felicidade, segurança e certeza.

Sem mais nem menos eu saio dali, creio que por ter cumprido o que fora fazer, e me vejo em meu quarto. Invariavelmente no mesmo tipo de horário pouco antes do dia começar a nascer.

Quase como que sem precisar acordar pois estava já praticamente acordado como em todo desdobramento, só que em outro lugar que não tenha conscientemente identificado qual fosse.

Certamente me sentia antes diferente, muito bem como que em um tipo de êxtase e super consciência, mais empoderado, como se tudo fosse possível.

Creio que fosse local na quarta dimensão, em um local de melhores vibrações e com as características e funções descritas.

Esse tipo de experiência é indescritível. E não se entende nem se pode avaliar e talvez até acreditar, dar crédito.

Só passando cada um talvez um dia por uma, que venha porventura vivenciar, e que não seja como a maior parte das vezes apagada de sua memória e inconsciente imediato, sobrando às vezes alguma parte de sua gravação já codificada e servindo como algum tipo de orientação ou aviso.

Cada vez que temos um desdobramento voltamos com que tendo perdido receios, incertezas, medos, e com uma incrível sensação de termos participado de algo maravilhoso, seja estudo, trabalho, alterações do que viveremos nos dias seguintes, ou mesmo recomposição de forças ou eventos de iniciação de novas etapas de nossa vida.

8888

 

Semana de 01/09/2019  a 07/09/2019 (texto mantido)

Assunto 1 da Semana: "A MARAVILHOSA PROFONIA DE `O

GUARANI" 

(Alfredo Sénger)

 

Músicas e Autores como esse em qualquer país são idolatradas, conhecidas por todos.  Mas há povos que não o fazem.

Quem é que ouviu “O Guarani” fora a parte que toca na “Voz do Brasil?” e quase ninguém sabe de quem é?

 

Simplesmente divino.  A Profonia da  ópera O Guarani de Carlos Gomes (ópera Inspirada no romance de José de Alencar, de mesmo nome), tanto em sua música quanto em sua letra enaltece o sabiá, as aves, florestas e natureza do Brasil, seus índios, belezas, pureza.

 

E o amor, a integração.

Como o livro de Alencar, tenta captar e expressar as origens da identidade da Nacionalidade brasileira e seus valores.

 

Uma de minhas músicas prediletas. Composta por Carlos Gomes a pedido e com apoio do único estadista brasileiro: D.Pedro II.

 

Como outra ópera dele também:  “O Escravo”.   E o mais culto, capaz e verdadeiro líder e político brasileiro.

 

O Brasil era a 4ª. maior economia na época.  E nunca a cultura e as escolas e condições cresceram tanto!  Libertou os escravos após 20 anos tentando, e foi derrubado logo depois por isso. 

 

Dizem que havia uma profecia sobre um incêndio em sua casa (onde depois veio a ser  o Museu Nacional recentemente incendiado) e no maior bem do país (certamente a Amazônia), e que perderia seu  maior amor (era o Brasil, de onde foi exilado).  E que o que mais defendia seria perseguido (a preservação da natureza, os índios, os negros, o progresso social).

 

A parte do trecho que inicia em 5:10  temos tudo isso e a parte mais linda!  Recomendo.

 

Qualquer um que a ouça, nascidos ou não neste país,  se torna mais brasileiro!

 

Vide a brilhante produção do Instituto Carlos Gomes:

Carlos Gomes - O Guarani - Coral AABB SP: Disponível em

https://www.youtube.com/watch?v=t9AfO1xYZzw

Acessado em 01/09/19

 

888888888888888888888

 

Semana de 11/02/2019  a 18/02/2019 (TEXTOS MANTIDOS)

Assunto da Semana:

“Precisamos Lembrar Sempre”

Crônica e Poesia:  “Lembres”

De meu livro ”Inspiração do Universo”

 

CRÔNICA

Lembres

 

Nesses instantes em que você (ou todos nós)  mergulha em um intenso pessimismo ou sensação de impotência frente ao destino ou ao infortúnio do momento,  deves olhar para fora dessa situação,  talvez apenas imaginária e não passageira.

 

E enxergar muito mais ao mirar o horizonte,  e verificar que em sua paisagem não há só espinhos e sombras,  mas flores, campos,  luzes e frutos!  Todo um mundo que até pode lhe ser bem mais feliz...

 

E que além de você há muitos e muitos outros seres, irmãos, amigos e amores,  nem que sejam passageiros, mas haverá sempre o do momento,  que esse universo amante lhe entrega e lhe cuida...

 

Não deves esquecer que faz parte de um mundo de muitos iguais a você,  nos aspectos gerais, e que você tem algumas características e valor tão individuais,  que sua identidade e instrumento são insubstituíveis na música maravilhosa orquestrada pelo universo!

 

No universo, em toda sua grandeza física e espiritual, ninguém é substituível,  qualquer ser,  por mais pequenino traria desequilíbrio apenas por se deslocar além do previsto....

 

Ninguém é descartável perante a realidade e sabedoria.

 

Somente teorias e organizações passageiras e menores, estúpidas e cegas, afirmariam que ninguém é insubstituível.  Mas todos mudam a todo momento.

 

O progresso exige que ninguém seja passivo ou estável como uma pedra inerte....

 

 

 

 

POESIA:

Lembres

 

Sempre que qualquer coisa cismares

A respeito de ti, tuas brigas e vida

Dos infortúnios, pesares

Criticando o coração e a alma sofrida

 

         Lembres que muito antes, bem antes

         Que qualquer pedaço atual de ti fosse formado

         Os astros, as pedras e todos os mares e instantes

         Já brilhavam, rolavam e haviam movimentado

 

Mas se a memória não tiver alcançado ainda estes dizeres

Abra a janela, a porta, saia à rua, vá aos campos

Toque os rios e as cascatas, quantos amores!

Veja os velhos, as crianças, jovens, adultos, espaços tão amplos

 

         Corra com os animais e nade com os peixes

         Cavalgue senhor de tua sorte e deste teu mundo

         Banhe-se com o sol e cubra-se com areia e verdes feixes

         Que teu pranto nunca mais será tão profundo

 

Não te esqueças que somos todos partes

De uma mesma natureza

Vivemos, fazemos, sentimos, sofremos, sortes e artes

Lembres que criamos, gozamos e partilhamos da mesma 

mesa